hit tracker Top Five News

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

A vítima contou à polícia que acordou de madrugada e encontrou a mulher, tendo relação sexual com ele, enquanto sua comparsa roubava a sua casa.

Duas mulheres, uma de 28 e outra de 19 anos, foram presa na cidade de Pedreiras.MA acusada de estuprar um homem, enquanto ele dormia.
Na delegacia Para a polícia, a mulher disse  que sofre de transtorno bipolar e psicose. Ela contou, ainda, que não conhecia o homem e que não lembra de nada do que aconteceu naquela noite.
Para os policiais, a vítima que se chama Gilmar, contou que acordou por volta das 2 horas da manhã e encontrou a mulher, que pesa aproximadamente 100 quilos, tendo relação sexual com ele enquanto segurava suas mãos sobre sua cabeça.
Após muitas tentativas, ele conseguiu expulsar a mulher e de sua casa e procurou a polícia para relatar o ocorrido. Os oficiais confirmaram a acusação de estupro depois que o DNA da acusada foi encontrado na vítima.
"Do ponto de vista estatístico, um agressor do sexo feminino é atípico. Mas nós vamos trabalhar para assegurar que todas as pessoas sejam responsáveis por suas ações. A lei é válida para todos os gêneros e nós iremos cobrar qualquer pessoa que cometa esse crime", disse a policia, para a imprensa local.

(DOL com informações do portal Terra)

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Dados divulgados pela Anatel, até o final de novembro, mais de 80% das unidades da Federação aderiram ao Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi). Em agosto, o Cemi registrou cerca de 46,5 milhões aparelhos bloqueados. Houve um crescimento de 4,85% no número de bloqueios e novembro fechou o mês com cerca de 48,9 milhões de celulares impedidos.

O registro para o bloqueio de aparelhos roubados, furtados ou extraviados pode ser feito diretamente pelas polícias estaduais, sem necessidade de o consumidor procurar a prestadora. Apenas cinco estados ainda não aderiram ao sistema: Acre, Alagoas, Amapá, Maranhão e Pará. A área técnica da Agência tem mantido contato com últimos estados que ainda não aderiram ao cadastro para que todo o país faça parte do projeto.

Foi desenvolvido um ambiente online que permite às polícias fazer o registro dos terminais diretamente na base de dados. A facilidade também vale para comerciantes, distribuidoras ou fabricantes de celular que tiverem cargas roubadas e não precisam contatar as prestadoras móveis para o bloqueio; basta acionar os órgãos de segurança.

De acordo com dados da ABRTelecom, responsável pela operacionalização do Cemi, 147,6 mil aparelhos já foram bloqueados por solicitação de órgãos de segurança. Há, ainda, outros 8,9 milhões de aparelhos bloqueados por usuários das operadoras no Brasil. Como o Cemi é integrado à base de dados da GSM Association, o Cadastro reúne dados dos aparelhos bloqueados no Brasil e no exterior, o que contribui para o combate a atividades ilegais.

O Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas é supervisionado pela Anatel, operacionalizado pela ABRTelecom e implementado pelas prestadoras da telefonia móvel.
O IMEI é uma sequência de números que identifica o celular internacionalmente; ele equivale ao chassi dos carros. Se o aparelho estiver há muito tempo sem uso (sem registro na rede) ou caso o consumidor precise consultar se um aparelho está bloqueado (por exemplo, antes de comprar um equipamento usado), é importante fazer a consulta pelo IMEI.

fonte: convergenciadigital
A Anatel informou que a universalização do acesso à internet deve ser a prioridade da atuação agencia, sustentou nesta quinta, 23/11, o novo integrante do Conselho Diretor, Emmanoel Campelo, depois da cerimônia de posse realizada na sede da agência, em Brasília.



“Tem que ser prioridade na agência, principalmente, a universalização da banda larga. É o grande reclamo da sociedade, é o grande meio de comunicação, tanto fixa quanto móvel”, disse o advogado e especialista em mediação indicado para a vaga deixada por Igor de Freitas.

O novo conselheiro, o próprio avanço tecnológico justifica a atualização do marco legal do setor de forma a responder por essa demanda. “Estamos muito distantes do marco legal de telecomunicações quando priorizou a telefonia fixa. Estamos em outro momento. Por isso tão importante a atualização do marco legal e a priorização, pela Anatel, da banda larga fixa e móvel”.

“Para que isso seja possível tem que se repensar o papel da Anatel como mera aplicadora de sanções. As obrigações tem que ser direcionadas para a universalização. Aí tem que discutir como fazer e acho que os TACs são instrumento importante para que cheguemos a esse objetivo”, concluiu Campelo.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

A equipe de pesquisadores da Wits University, na África do Sul, anunciou ter conseguido conectar um cérebro humano à internet. De acordo com um artigo publicado na Medical Express, o sistema chamado de “Brainternet” transforma o cérebro numa espécie de dispositivo de Internet das Coisas (objetos do nosso dia a dia que estão conectados à internet).
Cérebro humano é conectado pela primeira vez à internet

Esse projeto foi chamado de “Brainternet” (cérebro + internet, em inglês).
O Brainternet funciona da seguinte forma: um voluntário no estudo usou durante dias um headset sem fio de eletroencefalografia (EEG), fabricado pela norte-americana Emotiv, capaz de captar oscilações neurais, também conhecidas como “ondas cerebrais” – as ordens que circulam de um lado para o outro no cérebro.

O projeto, um importante progresso nas pesquisas da engenharia biomédica, funciona a partir de sinais de um aparelho de eletroencefalograma digital conectado à cabeça de uma pessoa. Essas ondas cerebrais são então enviadas para um computador que transmite essas informações para uma interface de programação e exibe os dados, em tempo real, em um site na internet.

Segundo Adam Pantanowitz, supervisor do projeto, em entrevista para o Medical Express, o Brainternet pode abrir o caminho para o desenvolvimento de interfaces interativas entre o cérebro e o computador. Esses dados podem ajudar a compreender melhor como o cérebro funciona, processa e armazena o conhecimento adquirido.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Que os taxistas estão indo longe demais na guerra contra a Uber não é novidade. Agora, esta notícia, veiculada pelo O Tempo, mostra como tudo está saindo do controle: um taxista provocou uma batida em uma viatura, acreditando ser um carro a serviço da Uber, em Belo Horizonte, no domingo (24).

Segundo o jornal, o taxista estava na avenida Antônio Carlos, no bairro Cachoeirinha, quando encontrou o veículo de cor preta. Então, ele acelerou o carro, invadiu a faixa central e freou bruscamente para que o suposto motorista Uber batesse em sua traseira. Acontece que o carro não “era Uber”, mas sim uma viatura do Gabinete Militar do Governador do Estado de Minas Gerais. Dentro da viatura estavam um soldado e um major da Polícia Militar.

Os carros colidiram lateralmente após o veículo do gabinete tentar evitar a batida. Assim que o taxista percebeu que a viatura não era de um motorista Uber, ele resolveu fugir realizando “diversas manobras em zigue-zague na pista e colocando em risco outros veículos e pedestres”, disse o jornal.

Após uma perseguição, os dois carros bateram novamente até outra viatura, do 16° Batalhão da PM, chegar para auxiliar na ocorrência. Os militares encontraram maconha dentro do táxi, de acordo com o Tempo.


O resultado

Como você deve imaginar, não foi uma ideia muito boa do taxista. Tanto que, além de ter a CNH recolhida e o táxi removido por reboque, ele foi autuado por crimes de dano, direção perigosa e posse de substâncias entorpecentes.

Ricardo Faedda, presidente do Sindicato dos Taxistas de BH, repudiou o ocorrido: “Nosso posicionamento é de repúdio. Peço desculpas aos policiais militares por essa atitude. Não é dessa forma que vamos encontrar soluções para combater o transporte clandestino”.

A prefeitura de Belo Horizonte, diferente de São Paulo — que recentemente legalizou o aplicativo —, ainda está com problemas para decidir se os carros Uber podem ou não rodar na cidade.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Apenas Verônica Costa (PMDB-RJ), a Mãe Loira do Funk, foi reeleita no Rio de Janeiro com 19.946 votos


Os (quase) famosos que disputaram as eleições municipais deste domingo podem ter garantido boas risadas ao longo da campanha – mas isso não se reverteu em votos. Entre as sub-celebridades, apenas a Mãe Loira do Funk, Verônica Costa (PMDB-RJ), saiu vencedora. Verônica foi reeleita com 19.946 votos, 0,68% do total de votos válidos no Rio de Janeiro.

Entre os derrotados estão o ex-assistente de palco do Ratinho, Marquito (PTB-SP), que é investigado pelo Ministério Público de São Paulo por corrupção, que recebeu apenas 5.114 votos, o que representa 0,10% dos votos válidos. O ator Thammy Miranda (PP-SP) também não foi eleito. Ele obteve 12.408 votos, o que representa 0,23% dos votos válidos na capital. Atchim (PRB-SP), da dupla “Atchim e Espirro”, também não foi eleito e recebeu apenas 1.123 votos, o que representa 0,02% do total de votos válidos da capital paulista.

Confira os demais candidatos na lista abaixo:

1. Thammy Miranda
O ator Thammy Miranda (PP) perdeu a disputa ao cargo de vereador em São Paulo. Thammy teve 12.408 votos, o que representa 0,23% dos votos válidos na capital.

2. Marquito
O vereador candidato à reeleição Marquito perdeu a disputa na capital paulista. Ex-assistente de palco no Programa do Ratinho e investigado pelo Ministério Público Estadual de São Paulo por suspeita de corrupção, Marquito obteve apenas 5.114 votos, o que representa 0,10% dos votos válidos.

3. André Carvalho
O cantor sertanejo André Carvalho disputava o cargo de vereador na capital paulista pelo PP, mas conquistou apenas 104 votos, o que representa 0,01% dos total de votos válidos.

4. Ex-jogador Marcelinho Carioca
O ex-jogador de futebol Marcelinho Carioca (PRB) não venceu a disputa pelo cargo de vereador em São Paulo. O candidato obteve 12.602 votos, o que representa 0,24% do total de votos válidos.